Vejo muitas empresas com dificuldades em tangibilizar suas ideias, e mais do que isso, dificuldade de aproximar o setor de pesquisa com a área de negócios da empresa. Dúvidas como: Como tornar as pesquisas investidas pela empresa comercialmente viáveis? Como aproximar as áreas e fazer com que enxerguem o valor da pesquisa para o negócio?

Grandes empresas contam com centros de tecnologia e pesquisa dentro delas, mas muitas vezes o material pesquisado é bastante teórico, ou específico, como a descoberta de um novo componente químico. Isso, somado a um número considerável de pesquisas acontecendo ao mesmo tempo. Mas como enxergar o valor ao negócio e linkar as áreas de pesquisa e negócio com um estudo tão técnico?

O trabalho de um Especialista em Experiência do Usuário deve acontecer neste momento, para ajudar as empresas a se organizarem e enxergarem a inovação que está aguardando para ser lançada. Esse profissional tem a expertise necessária para clarear as ideias e fomentar a criatividade. Ajudando as pessoas a entenderem e enxergarem o valor no que estão produzindo. O papel do UX será apoiar a empresa no exercício de semear a criatividade entre os colaboradores.

Criatividade diz sobre a capacidade que as pessoas têm de criar, produzir ou inventar coisas novas. Através da criatividade é possível transformar situações e inovar, até mesmo no modo como agir frente aos desafios. Não tenho dúvidas que criatividade, inovação e empreendedorismo andam lado a lado, antes que se tenha inovação é necessário ser criativo e para criar, é preciso empreender e usar da criatividade.

Algumas empresas, muitas vezes sem a intenção, impõem a cultura do “medo de errar”, e consequentemente faz com que seus colaboradores tenham medo de arriscar, o que resulta em perda de confiança e criatividade. No final do ano, a Apple publicou um vídeo incentivando as pessoas criativas a compartilharem suas ideias sem medo do julgamento. Pois, com medo da não aceitação dos outros, as pessoas deixam de expor suas ideias e tangibilizar projetos, deixando ali, uma possível inovação morrer.

Criatividade pode ser ensinada, e existem técnicas, que servem como gatilho, para ajudar as pessoas a serem mais criativas. Muito mais do que elencar as técnicas que utilizadas, vamos pensar nas diferentes formas como as pessoas pensam e agem perante a situações adversas.

Existem vários tipos de inteligência, e isso faz com que as pessoas aprendam e entendam de forma diferente. Howard Gardner destaca 8 tipos de inteligências múltiplas: Lógico matemática, espacial, verbo-linguística, interpessoal, intrapessoal, naturalista, cinestésica e musical. Esse conjunto de habilidades serve para entender as combinações e relações lógicas que os seres humanos fazem para aprender e relacionar as coisas. E ajuda a saber como trabalhar a expertise de cada uma dessas pessoas, exercitando diferentes formas do pensamento e desenvolvendo múltiplas habilidades que ajudam na solução de problemas diversos. Trabalhar e exercitar essas diferentes formas, vai ajudar as pessoas pensarem e entenderem de forma diferente, o que ajuda na hora de ser criativo.

Estimular a criatividade faz com que as pessoas sejam mais inovadoras e empreendedoras. Para ser empreendedor, é preciso ser constantemente criativo nos negócios. É necessário estar sempre se reinventando, e criando novas soluções, estando a frente da curva, vendo e prevendo os cenários.

Para ajudar as empresas a solucionarem problemas de forma criativas os profissionais de UX fazem uso de ferramentas do Design Thinking como forma de resolver problemas, desenvolver produtos e projetos baseada no pensamento dos designers. Usando de pesquisa, brainstorms, seleção de ideias, e prototipagem para chegar a uma solução eficaz. Essa abordagem estimula na resolução problemas através de novas perspectivas, encontrando soluções e tendo respostas colocando sempre os clientes no centro das decisões e envolvendo-os em todo o processo, desde o entendimento, até a entrega das soluções.

Normalmente as técnicas são aplicadas em um workshop cocriativo, onde é feito uma seleção prévia das pessoas participantes, junto com a empresa, pensando nas personalidades, diferentes skills e áreas competentes que se julga interessante participar, a fim de ter diferentes opiniões e visões da empresa que ajudarão no processo.

Cada workshop é preparado especialmente de forma personalizada, a fim de conduzir e buscar melhores resultados para um problema específico. Sempre contando com pesquisas prévias sobre a empresa, seus produtos, seus concorrentes e muitos outros assuntos que se julgam importantes e necessários para serem trabalhados durante o workshop.

Como boa prática o início dessa dinâmica é feita com um quebra-gelo para soltar e conhecer melhor as pessoas que ali estão. Os diferentes tipos de inteligência e aprendizados mencionados ajudam diretamente na hora de conduzir o processo e entender as diferentes maneiras de trabalhar com cada uma dessas pessoas, utilizando de diversas técnicas e ferramentas de apoio nesse processo de cocriação.

A condução de um workshop cocriativo embasados em metodologias de Design Thinkinge com auxílio de ferramentas que fomentam a criatividade têm ajudado diversas pessoas e equipes a gerarem uma grande variedade de ideias relevantes, tanto na elaboração de um novo conceito como na etapa de tangibilização dessas ideias para estarem prontas pro mercado.

O uso do Design Thinking como um meio estruturado para combinar imaginação, conhecimento e experiências na geração de ideias inovadoras tem resultados efetivos para o mercado. É possível enxergar o sucesso em diferentes pontos:

  • Melhorias incrementais e radicais no desenvolvimento de novos produtos, processos ou serviços;
  • Melhorias na qualidade de comunicação e efetividade nos negócios;
  • Melhorias para problemas recorrentes muitas vezes aparentes em SACs relatados pelos clientes;
  • Melhorias em experiência de um produto como um todo, desde o seu lançamento até a gestão do mesmo.

Essas técnicas têm ajudado uma variedade de setores como indústrias, mercados financeiros, comércios, governos, educação, entretenimentos, entre muitos outros. Se identificou com algum tópico do que foi dito? É um ótimo momento para escutar e aplicar as dicas de um profissional de UX.