Escrito por ilegra,

5 minutos de leitura

5 vulnerabilidades de segurança que comprometem seu produto digital

Confira cinco riscos importantes que tornam seu código vulnerável e que precisam ser evitados.

Compartilhe este post:

Com a aceleração da transformação digital dos últimos anos, os CIOs e os times de TI enfrentam uma grande necessidade de modernizar aplicações, melhorar as experiências dos clientes, migrar workloads para a nuvem e automatizar fluxos de trabalho para manterem a vantagem competitiva de seus produtos.

Metodologias ágeis e DevOps permitem que as equipes de desenvolvimento de software atinjam esses objetivos e forneçam valor comercial com maior qualidade e em ciclos de lançamento mais rápidos.

Mas é preciso um passo além para proteger seus clientes e sua marca: é fundamental identificar vulnerabilidades de segurança de software durante o desenvolvimento de produtos digitais.

Este post traz cinco riscos importantes que precisam ser evitados. Confira!

 

O que é uma violação de dados?

Uma violação de dados é um incidente durante o qual qualquer tipo de informação protegida é:

+++ Roubada por hackers;
+++ Acidentalmente exposta ao público (mesmo que ninguém se aproveite disso);
+++ Compartilhada involuntariamente com qualquer pessoa que não esteja autorizada a visualizá-la.

É importante observar que as vulnerabilidades de segurança nem sempre acontecem como resultado de hackers ou arquitetura de software inadequada.

Em vez disso, vazamentos de dados podem resultar de um amplo espectro de má gestão tecnológica e erro humano. É um fato curioso que, em muitos casos, NÃO houve esforços intencionalmente maliciosos aplicados.

Mesmo sem cibercriminosos ou malware por trás dos incidentes, as empresas envolvidas e seus clientes sofreram violações de dados dispendiosas.

 

5 decisões que provocam vulnerabilidades de segurança

 

1. Não dar a devida importância às vulnerabilidades de segurança

Nenhuma organização teria a coragem de dizer que não se importa com a segurança durante o desenvolvimento de produtos digitais. É fácil dizer que esse ponto é colocado em primeiro lugar e que as melhores práticas são seguidas.

Mas, na realidade, com uma equipe enxuta, o que se pode perceber é que outras prioridades de negócios e dívidas técnicas dominam as pendências das equipes. As práticas de segurança são colocadas em segundo plano e acabam não sendo adotadas como deveriam.

Faltam definição de princípios, colaboração entre as equipes e esclarecimento sobre a cultura da empresa voltada tanto às vulnerabilidades de segurança como ao bem-estar dos colaboradores.

2. Expor dados confidenciais

Embora muitas equipes conheçam práticas de segurança para desenvolvimento, teste e implantação de aplicações, elas também devem incluir práticas relacionadas ao gerenciamento de dados.

Os desafios de privacidade e vulnerabilidade de dados impedem que as empresas monetizem informações para obter vantagem competitiva. E esses dados confidenciais incluem informações como números de contas, endereços, dados financeiros, informações de saúde, nomes de usuário e senhas. Eles devem ser protegidos para evitar que caiam em mãos erradas.

Se o software não proteger esses dados pessoais devido a uma ou mais vulnerabilidades de segurança, os hackers que obtiverem acesso a essas informações poderão usá-las para cometer fraudes e outros crimes.

3. Faltar governança e gerenciamento de componentes open source

Algumas equipes de TI têm total liberdade para escolher com quais ferramentas vão trabalhar. Os resultados de pesquisas recentes mostram os riscos de se ter “carta branca” neste tipo de decisão.

Em um levantamento sobre DevSecOps e gerenciamento de open source, com 1,5 mil profissionais de TI, 72% dos entrevistados têm uma política de uso de código aberto e 64% relataram ter um conselho de governança de código aberto.

Essa é apenas a ponta do iceberg, pois somente 16% dos entrevistados acreditam que podem corrigir uma vulnerabilidade crítica de código aberto uma vez identificada.

Na pesquisa da comunidade DevSecOps 2020, 21% dos entrevistados reconheceram violações relacionadas a componentes de código aberto. E não é apenas um problema de código aberto, pois qualquer sistema comercial também pode ter vulnerabilidades de segurança de API ou outras brechas de componentes de software.

4. Dar acesso total a repositórios de código-fonte e pipelines de CI/CD

Proteger a segurança de produtos digitais costumava significar bloquear repositórios de controle de versão, escanear código em busca de vulnerabilidades, definir privilégios mínimos para facilitar implantações, criptografar conexões e executar testes de penetração.

Bloquear a rede e a infraestrutura era um domínio de segurança completamente separado, envolvendo ferramentas e disciplinas separadas gerenciadas pelas operações de TI.

Hoje, há mais riscos. Se o produto digital não for desenvolvido adequadamente, as vulnerabilidades de segurança são ampliadas em uma escala muito maior do que se um sistema individual fosse violado.

5. Utilizar componentes desatualizados e não confiáveis

Os componentes são compostos de bibliotecas, frameworks e outros módulos de software. Muitas vezes, os componentes são executados com os mesmos privilégios de seu aplicativo. Se um componente for vulnerável, ele pode ser explorado por um agente não confiável. Isso causa séria perda de dados ou controle do servidor.

No desenvolvimento de produtos digitais, pode-se usar bibliotecas e componentes open source que não são testados e verificados e que podem conter códigos maliciosos. Esses componentes geralmente são incorporados aos sistemas durante o processo de desenvolvimento e raramente são atualizados ou verificados em relação a vulnerabilidades conhecidas.

 

Falhas resultantes das vulnerabilidades de segurança do software

+++ Hackers fazem uso de vulnerabilidades de segurança em software para atacar e danificar um sistema. Defeitos no software permitem que esses ataques sejam bem-sucedidos;

+++ As vulnerabilidades de segurança de software não resultam apenas em hackers atacando um sistema, mas também podem resultar em perdas financeiras;

+++ Hackers costumam arruinar a reputação das empresas que atacam;

+++ Os invasores usam falhas de segurança para roubar e acessar os dados pessoais de um indivíduo, incluindo contas bancárias, para roubar dinheiro.

 

Quer saber como evitar essas vulnerabilidades de segurança no seu produto digital? Então não deixe de ler o post Como reforçar a TI para evitar lacunas de segurança.

Compartilhe este post: